Lideranças do PT reúnem-se para discutir políticas de governo para SP

Edinho Silva disse que encontro de amanhã com José Eduardo Dutra terá como objetivo reforçar a atenção do governo federal às demandas do Estado

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

23 de novembro de 2010 | 18h36

SÃO PAULO - O presidente do PT paulista, deputado Edinho Silva, terá encontro nesta quarta-feira, 24, com o presidente nacional da sigla, José Eduardo Dutra, para discutir políticas de governo para São Paulo, na gestão da presidente eleita Dilma Rousseff. Na reunião em Brasília, Edinho irá apresentar a Dutra uma proposta de agenda de discussões com o governo federal, bem como sugestões de lideranças regionais para as áreas de saúde, segurança pública, transporte e meio ambiente. "O objetivo é que o governo federal esteja atento às demandas da população paulista", ressaltou o presidente estadual, negando que na reunião serão apresentadas indicações para cargos ministeriais. "Dilma pode indicar os ministros que quiser que daremos apoio", afirmou.

 

A pauta do encontro de amanhã foi debatida ontem,22, na capital paulista, por dirigentes e lideranças do PT, entre eles a ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, e o senador Aloizio Mercadante (PT-SP). No encontro, também foi discutido o futuro da sigla em São Paulo. De acordo com Edinho, foi estabelecido o diagnóstico de que o PT deve, a partir de 2011, começar a se mobilizar para as eleições de 2012 e 2014.

 

O primeiro passo nesse sentido, segundo ele, seria a construção de diagnósticos regionais, que identificassem gargalos e empecilhos para a construção de propostas locais. O intuito é reforçar uma militância e um discurso político que tenham um caráter mais regionalizado, num esforço para aumentar a participação da sigla no âmbito municipal e, por conseguinte, fortalecer uma base de apoio que fortaleça o PT na disputa pelo Palácio dos Bandeirantes em 2014. (Gustavo Uribe)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.