Liderança em São Paulo deixa Alckmin animado

No campo petista, desempenho de Eduardo Suplicy foi melhor do que de Aloizio Mercadante, o preferido do partido

Silvia Amorim, de o Estado de S.Paulo

29 de março de 2010 | 08h44

No dia em que aparece disparado à frente na pesquisa Datafolha, o secretário de Desenvolvimento de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que está "animado" com a possibilidade de voltar a governar o Estado. "Estou muito animado e entusiasmado com esta possibilidade de trabalhar para o Estado de São Paulo", disse em evento em São Paulo.     

 

Veja também

linkSuplicy desiste e anuncia apoio a Mercadante

 

Questionado se preferia disputar o governo com o senador Aloizio Mercadante (PT) ou com Eduardo Suplicy (PT), ele desconversou: "Concorrente e adversário não se escolhe. Isso fica para o povo". Alckmin acompanha nesta segunda-feira, 29, o governador José Serra (PSDB) em uma vistoria na linha 4 do Metrô e, à tarde, inaugura uma escola técnica, também com o pré-candidato tucano à Presidência.

 

 

 

O ex-governador disse nesta segunda que fica na Secretaria de Desenvolvimento até a próxima quinta, 1 de abril. "Quinta-feira é o bota-fora", afirmou.     Segundo a pesquisa Datafolha, no cenário em que o candidato do PT é o senador Aloizio Mercadante, o ex-governador aparece com 53%, enquanto o petista ficou com 13% das intenções de voto, Celso Russomano (PP) com 10%, Fábio Feldmann (PV) com 3% e Ivan Valente (PSOL) com 1%.    

 

 

Já se o candidato do PT for o senador Eduardo Suplicy, Alckmin teria 49% dos votos e o parlamentar, 19%. Russomano, então, teria 10%, Feldmann, 2%, e Ivan Valente, 1%.    

 

 

Os dois cenários não incluíram o pré-candidato pelo PSB, Paulo Skaf. Embora seu partido mantenha negociações para repetir em nível regional a aliança nacional com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o atual presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) tem dito que não abre mão de sua intenção de concorrer ao Palácio dos Bandeirantes.    

 

 

No entanto, mesmo com Skaf na disputa, não há grande alteração no índice alcançado pelos pré-candidatos.    

 

 

No cenário com Mercadante e Skaf, Alckmin continuaria disparado na frente, com 52% das intenções de voto. O petista teria o mesmo número de votos (13%), assim como Russomano (10%). Feldmann teria 2%, empatado com Skaf e o pré-candidato pelo PSOL. Já se Suplicy for candidato no lugar de Mercadante, Alckmin aparece com 50%, o senador do PT com 19%, Russomano com 10% e os três outros nomes, com 2%. 

 

 

Esta é a primeira sondagem para o governo de SP do Datafolha este ano. A pesquisa foi feita nos dias 25 e 26 deste mês, com 2.001 eleitores. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. O levantamento foi registrado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) com o número 17.116/2010.

Tudo o que sabemos sobre:
eleição 2010SPDatafolhapesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.