Líder tucano condena pessimismo e quer unidade da legenda

O líder do PSDB na Câmara, deputado Antonio Carlos Pannunzio (SP), condenou nesta sexta-feira, 13, o "negativismo" de algumas lideranças tucanas sobre o cenário político atual e futuro. Ele pediu unidade aos colegas de partido. "Nós estamos agindo. Não dá para ter esse pessimismo dizendo que está tudo perdido. Não está nada perdido. O que precisa, realmente, é ter unidade. Somos o único partido já com candidato efetivo em 2010. Esse negativismo não serve para nada, é jogar pra trás", afirmou o deputado. Pannunzio reagiu a declarações de colegas dadas à Reuters na última quinta-feira. Segundo parlamentares influentes da legenda, a ampla coalizão do governo e as recentes pesquisas de opinião indicam uma situação "desanimadora". Sondagens divulgadas nesta semana pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostraram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva com patamares elevados de avaliação positiva. "O governo foi colocado nas cordas com a CPI do Apagão Aéreo. A pesquisa da CNI, por exemplo, aponta que ele começou a cair. O Lula está bem, claro que está bem, mas teve queda na sua aprovação", avaliou Pannunzio. De acordo com a CNI, a popularidade do presidente caiu oito pontos percentuais, passando de 57% em dezembro para 49% neste mês. No entanto, os responsáveis pela pesquisa advertem que, no fim do ano, o resultado foi inflado pela euforia da vitória eleitoral de Lula e a nova pesquisa corrigiu essa distorção. A reeleição de Lula expôs ainda mais a briga interna do PSDB. Os tucanos estão divididos sobre quem será o candidato à Presidência em 2010. Os governadores de Minas, Aécio Neves, e de São Paulo, José Serra, desejam o mesmo posto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.