Ao lado de Lula, líder espanhol diz que mídia e Judiciário podem 'tirar qualquer um do poder'

Felipe González participa de debate para falar sobre o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), que se reergueu politicamente no país após passar por uma crise gerada por acusações de corrupção

Ana Fernandes, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2015 | 12h38

SÃO PAULO - Ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-primeiro-ministro da Espanha Felipe González disse nesta segunda-feira, 22, ter passado pelo que considera uma situação semelhante à que o governo petista vive hoje no Brasil. Sem citar nome, ele afirmou que uma pessoa da imprensa disse a ele, anos depois de ter deixado o posto de primeiro-ministro, que havia uma estratégia para tirá-lo do poder.

"Ele me disse: tivemos que colocar em risco até mesmo a estabilidade do Estado para tirar o Felipe González do poder", afirmou. "Quando um comando de jornalistas, juristas e promotores se juntam, podem tirar qualquer um do governo."

González participa de um debate promovido pelo Instituto Lula, a que foi convidado para falar do seu partido, o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), que se reergueu politicamente no país após passar por uma crise gerada por acusações de corrupção. González foi primeiro-ministro da Espanha de 1982 a 1996.

O ex-premiê disse ainda que, depois de ter aprendido a "acessar o poder através dos votos", agora a esquerda aprende a seguir governando maiorias e a "resistir a ataques", que disse serem naturais nos sistemas democráticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.