Líder do PT vai insistir em processo contra ACM

O líder do PT no Senado, Tião Viana (AC), deve encaminhar na segunda-feira recurso ao plenário pedindo para que seja anulada a decisão da Mesa Diretora que derrubou a recomendação do Conselho de Ética para que seja aberto processo de cassação de mandato do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) por quebra de decoro parlamentar.Agora, o trabalho do PT será tentar conquistar o apoio dos partidos no Senado para aprovar o recurso no plenário. Se este procedimento for acolhido, estará formalizado o processo contra ACM, acusado de envolvimento em esquema de escuta telefônica ilegal montado pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia. Mas há obstáculos políticos a serem superados para garantir a aprovação do recurso. Tião Viana disse hoje que não é possível prever o resultado. "É muito difícil fazer essa previsão", reconheceu. Segundo ele, há inclinação da liderança de partidos, como a do PSDB, para apoiar o recurso. Essa eventual adesão da liderança do PSDB ao movimento pela abertura de processo não significa que a bancada tucana será favorável ao recurso. Isto porque o PSDB, quarta maior bancada no Senado, com 11 parlamentares, se dividiu no caso ACM. No PMDB, a situação ainda é mais complicada. Crítico da posição tomada pela Mesa do Senado, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) reconheceu que seu partido, maior bancada com 20 senadores, poderá seguir a orientação de Sarney, que votou contra a formalização do processo de cassação no encontro da Mesa. "Majoritariamente, o PMDB é a favor do Sarney e do líder do partido, Renan Calheiros", disse Simon. Além disso, ele acredita que o presidente do Senado e o PFL vão trabalhar para que o recurso seja rejeitado em plenário. Simon, no entanto, tem uma ponta de esperança quanto ao sucesso do movimento em defesa do recurso: o efeito da pressão da opinião pública. "Quem votar a favor do Sarney no plenário, vai ficar numa posição difícil com a opinião pública. Todos vão pensar que os partidários de ACM quiseram pôr uma pedra em cima do caso do grampo." Como a sessão é aberta, essa pressão pode surtir efeito.Veja o índice de notícias sobre o grampo na Bahia

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.