Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Líder do PT rebate Cunha: Não estamos discutindo regimento, mas o acordo político

De acordo com Sibá Machado (AC), Cunha havia garantido que matéria vencida em plenário não seria novamente apreciada

Nivaldo Souza, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2015 | 15h18

Brasília - O líder do PT na Câmara dos Deputados, Sibá Machado (AC), rebateu as críticas feitas pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), neste domingo, de que o grupo liderado por petistas que entrou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) contra reforma política seja formado "chorões" e “inconformados” com a derrota sofrida. "Não se está discutindo o regimento da Câmara. É do acordo que foi feito que estamos falando", disse.

 

De acordo com Machado, o presidente da Câmara havia empenhado sua palavra de que matéria vencida em plenário não seria novamente apreciada. Na noite de terça-feira, o plenário rejeitou a doação de empresas para partidos e candidato. A decisão foi uma derrota de Cunha, que articulou o retorno do tema à pauta do dia seguinte. Na quarta-feira, a Câmara aprovou por 330 votos doação de empresas a partidos e, apenas, de pessoas físicas a candidatos.

 

Cunha defendeu hoje, em sua conta no Twitter, o rito de votação. "Todos os temas tiveram várias votações e o combinado com os líderes era que uma vez aprovado um item não se aceitaria emendas para rever", disse, ressaltando que a não aprovação da emenda de terça não eliminava o tema do texto do relatório de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e a possibilidade de uma nova emenda. "Todos sabiam que enquanto nada fosse aprovado de cada item poderiam (sic) se ter destaques para matérias com conteúdo parcial ou diferente", afirmou.

 

O líder do PT discordou, afirmando que retirou de pauta uma emenda sobre financiamento por entender que havia um acordo firmado para que os temas não se repetiriam. "Eu entendi que tinha acordo que matéria derrotada não se votaria novamente", disse.

 

Segundo ele, a emenda final que foi aprovada, por sugestão do PRB, contém uma brecha jurídica que pode geram problemas no futuro. "Não está na lei que o partido possa repassar recursos das empresas para os candidatos, o que cria um embaraço jurídico", sugeriu.

 

O petista avalia que a forma de votação conduzida por Cunha "prejudica muito as relações" do PT e outros partidos com o presidente da Câmara. Ao ser questionado sobre como recebia a afirmação do peemedebista que o plenário da Casa "não vai ficar refém dos que não querem que nada que os contrariem seja votado", Machado que a bancada petista “vai continuar firme com a pauta que vier” das mãos de Cunha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.