Líder do PT quer votação de reajuste salarial nesta semana

O líder do PT na Câmara, Luiz Sérgio, defendeu a votação nesta semana do projeto que reajusta os salários dos parlamentares. O PT defende o aumento de R$ 12.847,20 para R$ 16 mil, que corresponde ao índice de inflação, medido pelo IPCA, dos últimos quatro anos. O reajuste mais recente é de quatro anos atrás. Na terça, o assunto será discutido na reunião de líderes com o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT). "Se não resolver essa questão, fica um vazio, e dentro de 30 a 40 dias vão aparecer novas besteiras em curso. Devia votar para encerrar essa fábrica de besteirol", argumentou Luiz Sérgio.Na semana passada, Chinaglia pediu que os líderes discutissem o reajuste com suas bancadas e apresentassem suas propostas. Antecipando-se aos líderes, a Comissão de Finanças e Tributação aprovou, na quinta-feira passada, projetos do presidente da comissão, deputado Virgílio Guimarães (PT), propondo a fixação dos salários dos parlamentares em R$ 16.250,42. Outro projeto aprovado pela comissão, no entanto, cria um artifício para aumentar mais os salários.O projeto permite que os deputados embolsem parte da verba indenizatória, destinada ao pagamento de despesas com o exercício do mandato parlamentar em seus Estados e que exige apresentação de notas e recibos. A mudança na regra do uso de verba indenizatória poderá acrescentar aos salários dos parlamentares até R$ 5.416,81, atingindo um total de R$ 21.667,23 por mês.Aumento presidencialA comissão aprovou projeto que aumenta em 26,49% - mesmo índice aplicado para reajustar os vencimentos dos parlamentares - para os salários do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do vice, José Alencar, e dos ministros de Estado. Pela proposta, o salário do presidente Lula passa dos atuais R$ 8.500 para R$ 11.239,24, e os salários do vice e dos ministros sobem de R$ 8 mil para R$ 10.578,11. Nesta segunda, Chinaglia repetiu que a decisão sobre salários será do plenário, depois de ouvidos os líderes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.