Líder do PT no Senado pede que atos secretos sejam anulados

Mercadante, assim como outros líderes que discursaram após Sarney, sugerem reforma profunda na Casa

16 de junho de 2009 | 18h35

O líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), defendeu nesta terça-feira, 16, que os atos secretos, que não tiveram a devida publicidade, devem ser anulados. "Onde não há publicidade, o próprio artigo 37 não assegura legalidade do processo. Atos que não foram publicados estão passíveis de nulidade."

 

Veja também:

som ÁUDIO: Íntegra do discurso de Sarney

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

forum ENQUETE: Sarney tem razão? A crise é do Senado?

mais imagens GALERIA DE FOTOS: Sarney discursa no Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

especialEntenda o escândalo dos cargos e benesses do Senado

linkSob denúncias, Senado lança campanha na TV

linkMinistério Público decide investigar atos secretos

linkAtos secretos serviram para blindar investigados pela PF

 

Assim como outros líderes, que discursaram após a fala do presidente do Senado, José Sarney, Mercadante pediu uma reformulação na Casa e na função do diretor-geral. "É inaceitável que um diretor-geral da Casa fique 14 anos na Casa. Queremos alternância, pluralismo, mudança", disse, referindo-se a Agaciel Maia, que deixou o cargo após denúncia de que teria omitido uma casa no valor de R$ 5 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.