Líder do PT no Senado acusa Aécio de liderar 'polarização' do País

A troca de acusações entre governistas e oposicionistas elevou a tensão no plenário da Câmara dos Deputados, que quase desembocou em uma briga física

Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2016 | 13h38

Brasília - Pouco após a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil, o líder do PT no Senado, Paulo Rocha (PA), acusou o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), de ter liderado o "processo de polarização" no País. A troca de acusações entre governistas e oposicionistas elevou a tensão no plenário, que quase desembocou em uma briga física.

Em dura fala, Paulo Rocha disse que o ex-presidente não é "bandido" nem "salafrário", mas sim uma liderança política brasileira que lutou pela democracia e foi presa durante a ditadura militar. O líder do PT criticou Aécio, presente em plenário, de ter comandado o movimento que tensiona o País e ainda ironizou o que chamou de "efeito bumerangue" das delações: quando é contra o governo, ela é válida, mas é desqualificada se envolve a oposição, como foi o caso de uma menção ao senador do PSDB.

Aécio afirmou que a oposição não tem a "força" de acirrar os ânimos no País. Ele justificou que os motivos para esse acirramento foram a sucessão de denúncias de corrupção e as medidas equivocadas na economia que levaram o Brasil à recessão. Criticou ainda o ataque às instituições e a demonização da imprensa promovida pelo governo.

A tensão aumentou no plenário e Paulo Rocha, com dedo em riste apontando para os senadores, foi cobrado pelo senador do PSDB Ataídes Oliveira (TO) de falar de costas para a Mesa Diretora, fato que é proibido pelo regimento interno da Casa. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) interveio fora do microfone e cobrou ao tucano que ficasse "quieto". Oliveira respondeu: "Você é moleque". Lindbergh disse que não leva "a sério" o senador tucano e, diante do bate-boca, um grupo de senadores se colocou fisicamente entre ambos para que não houvesse um confronto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.