Líder do PT diz que partido está 'convencido' de propostas impopulares do governo

Legenda voltou a adotar discurso do mês passado, quando ressaltou que o caminho para equilibrar as contas não podia 'ser pavimentado por sacrifícios ao trabalhador'

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

01 Fevereiro 2016 | 18h36

BRASÍLIA - Líder do PT na Câmara até esta quarta-feira, 3, o deputado Sibá Machado (AC), disse que o partido está "convencido" de pautar propostas impopulares do governo como a CPMF e a reforma da Previdência.

"Já tínhamos discutido isso antes do congresso do PT. O governo que pediu para não tratarmos deste assunto. Como era embrionário, pediu para segurar. Estamos convencidos dessas coisas", afirmou Machado.

O Estado mostrou mais cedo que partidos da base aliada retomaram o discurso adotado no início do ano passado e afirmaram estar abertos para discussão dos projetos, com a condição de que o PT assuma o protagonismo e o potencial desgaste do debate.

Em resolução aprovada em janeiro pela Executiva Nacional, a cúpula do PT ressaltou que "o caminho para o necessário equilíbrio fiscal não pode ser pavimentado por sacrifícios do povo trabalhador". "O Partido dos Trabalhadores somente apoiará soluções que sejam negociadas e pactuadas com o sindicalismo, as organizações populares e os movimentos sociais", diz trecho do documento.

Líderes da base aliada terão um encontro com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, nesta terça-feira, 2. Além da CPMF e da reforma previdenciária, Barbosa também defendeu na semana passada, em reunião realizada pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) - o 'Conselhão - a criação de uma margem fiscal legal para acomodar flutuações de receita, uma espécie de banda para a meta fiscal. Barbosa propôs criar, também, um limite legal para o crescimento do gasto público.

A liderança do PT será trocada nesta quarta-feira, 3. A expectativa é de que o novo líder seja escolhido por consenso. Têm interesse na vaga Afonso Florence (BA), Paulo Pimenta (RS) e Reginaldo Lopes (MG). O presidente do PT, Rui Falcão, deve participar da discussão. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi convidado para o encontro, mas ainda não anunciou sua decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.