Líder do PT defende fixação de gastos para campanhas

O líder do PT na Câmara, Henrique Fontana (RS), considerou insuficientes as alterações na Lei Eleitoral confirmadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele defendeu a necessidade de ser fixado um teto de gastos nas campanhas, ponto que não foi acatado pelo TSE para vigorar nas eleições deste ano. "O TSE consolidou avanços importantes, mas absolutamente insuficientes", disse Fontana. O líder argumenta que o teto é a forma de equilibrar as campanhas e evitar gastos milionários. "A grande raiz da crise é o direito a fazer campanhas milionárias. O teto é moralizador", argumentou Fontana. "Não adianta proibir o candidato de distribuir camiseta se é permitido que ele pague cabos eleitorais", sustentou o petista. O líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ), considerou as mudanças positivas. "A expectativa de todos é que nada valeria para esse ano", afirmou, citando a proibição de realização de showmícios e a divulgação de prestação de contas dos candidatos pela Internet.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.