Líder do PSOL espera que Conselho de Ética arquive ação contra ele

O relator do caso, Sandro Alex, anunciou que pedirá o arquivamento da representação do Solidariedade que pede abertura de processo contra Chico Alencar por quebra de decoro parlamentar

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2015 | 16h32

BRASÍLIA - O líder do PSOL na Câmara dos Deputados, Chico Alencar (RJ), disse nesta quinta-feira, 26, esperar que o Conselho de Ética acolha o parecer prévio do relator Sandro Alex (PPS-PR). Nesta quinta, Alex anunciou que vai pedir o arquivamento da representação do Solidariedade que pede abertura de processo por quebra de decoro parlamentar.

Aliado do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o presidente do Solidariedade e deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força, protocolou a representação alegando que Alencar usou recursos da Casa para fins eleitorais porque parte de sua campanha à reeleição teria sido financiada por um funcionário de seu gabinete. O partido também alega que Alencar teria apresentado notas frias de empresa fantasma para ressarcimento com a cota parlamentar. 

Um dos principais adversários políticos de Cunha, Alencar afirma que a representação carecia de "substância" e acredita que foi alvo de ação da "tropa de choque" do presidente da Casa. "Não é uma representação, é uma retaliação", concluiu o líder do PSOL.

Para concluir pela inépcia da ação, o relator se baseou nos pareceres da Justiça Eleitoral, da Receita Federal, do Ministério Público e da Procuradoria da Câmara se manifestando contra abertura de processo contra Alencar. "Se teve retaliação, não teve da minha parte resposta para isso", declarou Alex.

O parecer prévio será apresentado no dia 2 de dezembro ao colegiado. O relatório precisa ser aprovado no colegiado para que o processo seja arquivado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.