Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Líder do PSL diz que envio de projeto sobre militares pode ser antecipado

Delegado Waldir (PSL-GO) afirmou que equipe econômica pode enviar PL que reformula aposentadoria na terça-feira, 19

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2019 | 20h19

BRASÍLIA - O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), afirmou neste domingo, 17, que a equipe econômica do governo pode antecipar o envio ao Congresso do projeto de lei que reformula a aposentadoria dos militares para terça-feira, 19. "Essa antecipação atenderia a uma reivindicação dos líderes partidários, por isso pedimos ao Marinho Rogério Marinho, secretário especial de Previdência e Trabalho para que antecipasse o envio", disse Waldir ao Estadão/Broadcast. De acordo com ele, no entanto, o secretário não garantiu que poderá cumprir o pedido. 

Inicialmente, o governo havia prometido enviar o texto no dia 20, quarta-feira. Mas os deputados preferem que ele chegue à Câmara um dia antes, quando a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) se reunirá pela primeira vez nesta legislatura e dará início à tramitação da proposta da reforma da Previdência. 

Waldir voltou a criticar o governo por não ter enviado o projeto dos militares no mesmo dia em que a proposta da reforma foi levada ao Congresso pelo presidente Jair Bolsonaro, em 20 de fevereiro, o que gerou críticas de parlamentares, que viram a decisão com desconfiança. "O governo deu uma vacilada, por isso é importante que o texto dos militares chegue ao Congresso para a gente poder analisar toda a reforma da Previdência", disse. 

Na manhã de domingo, Bolsonaro afirmou por meio das suas redes sociais que não recebeu ainda a versão do projeto dos militares. Em sua conta no Facebook, ele disse ainda que "possíveis benefícios, ou sacrifícios, serão divididos entre todos, sem distinção de postos ou graduações". A fala ocorreu após informações, na última semana, de que o texto foi entregue pelo Ministério da Defesa ao da Economia. O projeto ainda passaria por uma avaliação do corpo técnico da área econômica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.