Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Líder do PSL contraria governo e quer caixa 2 no pacote de Moro

Deputado federal Delegado Waldir (GO) alega que apresentou solicitação para 'calar a boca da oposição', que se queixou de atitude do governo de separar lei anticrime e criminalização do caixa 2

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2019 | 18h13

BRASÍLIA - O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), apresentou nesta quinta-feira, 21, requerimento para que o projeto de lei anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, tramite de forma conjunta com a proposta que criminaliza o caixa 2. A decisão de apensar ou não os dois projetos cabe agora ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Waldir afirma que a atitude de Moro "não foi para beneficiar ninguém", mas para facilitar o andamento da proposta. O líder explica que apresentou o requerimento como uma resposta à oposição, que atacou o fatiamento dizendo que o governo do presidente Jair Bolsonaro pretendia criar uma "válvula de escape" para políticos envolvidos em caixa 2.

"Na verdade eu fiz mesmo para calar a boca da oposição. Eu penso que o projeto pode tranquilamente... É para mostrar a incompetência da oposição. Eles latiram, latiram que era ruim, mas não vi nenhum parlamentar deles tomar atitude prática de fazer o que eu fiz", afirma. "É uma atitude mostrando que para nós interessa a punição de todos os agentes políticos", diz.

Como antecipou o Estado, o Palácio do Planalto decidiu separar as duas propostas diante do temor de derrotas nos plenários da Câmara e do Senado. A equipe do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, propôs então o fatiamento do pacote na tentativa de facilitar a tramitação da proposta anticrime, que envolve mudanças em 14 leis com o objetivo de combater corrupção, crime organizado e violência nas cidades, e é uma das prioridades do governo.

Interlocutores do Planalto no Congresso apontaram, nas discussões internas sobre a versão final do projeto, dificuldades para dobrar a resistência entre deputados e senadores - parte deles alvo de investigações por doações não contabilizadas em campanhas eleitorais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.