Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Líder do PSDB na Câmara sugere convocar Cardozo para explicar corte de recursos da PF

Carlos Sampaio diz em nota que redução de verba é um 'desmonte' da Polícia Federal pelo governo

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2016 | 17h34

BRASÍLIA - Em seus últimos dias como líder da bancada do PSDB na Câmara dos Deputados, Carlos Sampaio (SP) divulgou nota nesta quarta-feira, 6, atacando o que chamou de "desmonte" da Polícia Federal. Sampaio diz que a bancada poderá pedir a convocação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para dar explicações à Casa sobre o corte de 3,7% dos recursos no orçamento deste ano à polícia encarregada das investigações da Operação Lava Jato.

"O desmonte da Polícia Federal é real e geral. Temos que combater isso com veemência! Recebi vários vídeos de delegados da PF indicando que a situação chega a ser desesperadora. Se não liberam recursos nem para o pagamento de contas de energia no Paraná, onde está concentrada a investigação do maior caso de corrupção do mundo, imagine a situação no restante do País?", questiona Sampaio na nota.

O tucano afirma que o combate à corrupção "é apenas mais uma ação de marketing dos governos petistas". Sampaio destaca que o governo federal diz não temer as investigações em curso, mas conclui que o corte "não permite que os investigadores da Lava Jato tenham dinheiro sequer para combustível dos veículos usados nas operações".

Após uma série de críticas de delegados da Polícia Federal, o Ministério da Justiça, responsável pelo órgão, admitiu ontem a possibilidade de recompor o orçamento da categoria para este ano - que tem previsão de corte de R$ 133 milhões. De acordo com o governo, os recursos para a PF poderão ser garantidos pela própria pasta da Justiça ou pelo Ministério do Planejamento.

Na semana passada, a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) criticou o corte e afirmou que a redução no valor previsto colocaria sob risco investigações em curso. O ministro da Justiça negou a possibilidade de que o Orçamento afete as apurações, mas admitiu que buscará uma solução para evitar o corte.

Carlos Sampaio, que será substituído a partir de fevereiro por Antonio Imbassahy (BA), lembra que a PEC 412, que prevê autonomia financeira e orçamentária da PF em relação ao Ministério da Justiça, é uma proposta que se arrasta há anos no Congresso. "Toda ação que for em favor de reforçar a atuação da PF e dos órgãos de segurança receberá o apoio do PSDB. E vamos pedir a convocação do ministro da Justiça para explicar essa denúncia e detalhar como a falta de recursos pode afetar também a vigilância das nossas fronteiras, por exemplo", finaliza Sampaio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.