Líder do PSDB na Câmara afirma ter sido alvo de grampos

Aníbal diz que a Polícia Civil o procurou para contar que quadrilha tinha, entre outros, deputado como alvo

Andréia Sadi, do estadao.com.br

07 de janeiro de 2009 | 17h01

O líder do PSDB na Câmara, José Aníbal, afirmou nesta quarta-feira, 7, ter sido alvo de grampos telefônicos organizado por uma quadrilha de 21 pessoas que atuou durante todo o ano de 2008. Em entrevista ao estadao.com.br, Aníbal contou que soube das escutas há um mês e meio, quando foi procurado por dois delegados da Polícia Civil de São Paulo.   "Eles disseram que estavam fazendo investigação sobre uma quadrilha envolvendo funcionários públicos, operadoras, e bandidos.O número que eles interceptaram a ligação foi o celular usado pela minha secretária em Brasília", disse.   Segundo ele, em uma das duas conversas interceptadas envolvendo seus dados, duas mulheres faziam havia referência à sua atividade na Câmara dos Deputados e, inclusive, houve uma menção sobre a sua mãe. "O Gustavo Fruet (deputado do PSDB) marcou com delegado do DEIC para eu ouvir a gravação e depois ouvi outra. Essas conversas de pilantras."   Aníbal não tem em mente nomes suspeitos de ordenar os grampos, mas cobra uma investigação . "Não tenho idéia. Mas vou acompanhar (os desdobramentos).É preciso uma legislação mais rígida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.