Líder do PSDB diz que ainda espera explicações de Meirelles

O líder do PSDB, senador Arthur Vírgilio (AM), disse que a saída do diretor de Política Monetária do Banco Central, Luiz Augusto Candiota, foi "necessária e até tardia". Segundo ele, Candiota deveria ter prestado esclarecimentos "convincentes" no último sábado, um dia depois de ter acessado pela internet as denúncias publicadas na última edição da revista IstoÉ. "Se ele não fez isso, o presidente Lula deveria tê-lo demitido. Mas como Lula não demite ninguém, o cargo de ministro passou a ter imunidade neste governo", afirmou.O líder disse que agora espera pelos esclarecimentos do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, a respeito da mudança que ele fez na sua declaração de imposto de renda, depois da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banestado ter apontado irregularidades no documento. "Tenho uma relação de respeito com o presidente Meirelles, mas ele também tem de dar explicações", alegou. "Quem age assim, alterando declaração, costuma ser os candidatos a cargo eletivo, mas ele é o guardião da moeda brasileira", disse.Ele disse que não aceitará a tática, que acredita ter ocorrido na troca de Candiota, que foi a de "entregar um boi às piranhas para salvar os outros".O líder do PFL, senador José Agripino (RN), disse que a demissão de Candiota foi tardia. Segundo ele, a iniciativa do próprio diretor mostrou que os fatos existentes contra ele são realmente graves. "Não é um caso qualquer. É um caso de transferência de moeda para paraíso fiscal e de sonegação de informação e de impostos", argumentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.