Imagem João Domingos
Colunista
João Domingos
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Líder do PSB na Câmara e 'Dilma Bolada' discutem na internet

No 'bate-boca' virtual entre Beto Albuquerque e o perfil 'fake' sobrou até para o ex-presidente José Sarney; deputado gaúcho é um dos porta-vozes do provável candidato Eduardo Campos

João Domingos , O Estado de S. Paulo

07 de março de 2014 | 21h25

Brasília - Um 'bate-boca' na internet entre o líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (RS), e o perfil "Dilma Bolada", mantido no microblog Twitter pelo humorista Jefferson Monteiro, atingiu por tabela o senador José Sarney (PMDB-AP) e levou outros participantes para a briga.

Albuquerque, um dos porta-vozes do provável candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, elogiou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por ter tirado do ar uma página extraoficial de apoio ao socialista.

Em seguida, ele pediu que outras páginas, como a da Dilma Bolada, também tivessem o mesmo tratamento, por ser campanha irregular. Albuquerque provocou: "Fazer campanha antecipada é proibido por lei, querida. Você não está acima da lei, lindona". Dilma Bolada respondeu: No dia em que for proibido gostar de alguém e falar bem de alguma pessoa neste País, me avise. Até lá, falo bem de quem quiser".

 

No auge da discussão, Albuquerque endereçou um post ao perfil oficial da presidente Dilma Rousseff (@dilmabr), sugerindo que havia campanha antecipada por parte dela. Provocado, o líder disse ainda que o senador José Sarney está casado há anos (com o governo do PT) e mandando nas Minas e Energia e na Esplanada. Começou então uma nova discussão com outros personagens que frequentam o Twitter.

O perfil "Divonaldo", que se apresenta como militante socialista da tendência Articulação de Esquerda, do PT, respondeu: "Muito me espanta o nobre falar de Sarney em Min. Vcs por 11 anos se fizeram valer do mesmo beneficio". E acrescentou à frente a hashtag #hipocrisia.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma BoladaPSBSarney

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.