Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Líder do PR em São Paulo ataca Serra e diz que aliança 'não tem proposta'

Inconformado, judoca Aurélio Miguel voltou a pedir CPI para o escândalo do caso Aref

Diego Zanchetta, de O Estado de S. Paulo,

05 de junho de 2012 | 18h36

SÃO PAULO - Um dia após o PR anunciar apoio ao candidato José Serra (PSDB), o líder da sigla na Câmara Municipal de São Paulo, Aurélio Miguel, atacou o ex-governador e prometeu se manter na oposição ao prefeito Gilberto Kassab (PSD). Nesta terça-feira, 5, o parlamentar voltou a pedir no plenário uma CPI para investigar a concessão de licenças na Prefeitura e disse que a aliança entre PSDB e PR foi feita sem base em nenhuma proposta para a cidade.

Nos últimos quatro anos, o judoca, campeão olímpico de 1988, foi o principal opositor da gestão Kassab entre os 55 vereadores paulistanos. Em 2008, foi reeleito com 50.804 votos. Fez dobradinha com a bancada do PT ao votar contra os principais projetos do governo, como a concessão de R$ 400 milhões para a construção do estádio do Corinthians em Itaquera, a construção do Monotrilho do Morumbi e a construção de um túnel até a Rodovia dos Imigrantes.

A seguir, trechos da entrevista concedida ao Estado em seu gabinete, no Palácio Anchieta, na região central.

O senhor vai agora continuar na oposição ao prefeito Kassab?

Você não assistiu à sessão de hoje? Eu pedi mais uma vez a CPI para o escândalo do caso Aref, e ninguém se move por aqui. Esse governo é uma vergonha. Vou continuar na oposição até o último dia. Essa aliança (do PR com o PSDB) foi feita sem base em nenhuma proposta para a cidade. O Serra tem de explicar a terceirização da Saúde, tem de explicar se ele vai mudar o que estava acontecendo dentro da Secretaria de Habitação.

Mas o senhor não vai sair candidato?

Olha, eu estou muito desconfortável. Pode ser que eu não seja mesmo candidato. Tenho minha independência. Não se muda de tendência da noite para o dia. Nenhum torcedor do Corinthians passa do dia para a noite para o Palmeiras.

O senhor também pode se eleger pelo PR e depois ir para outro partido...

Tudo é possível. O que posso assegurar é que sou independente e vou manter minha posição contra o governo. Já apresentei uma nova representação ao Ministério Público para denunciar o governo pela construção de um templo irregular da Igreja Mundial em Santo Amaro.

E se houver pressão dos líderes nacionais do partido?

Não estou nem dormindo de preocupação com isso viu.

O senhor então garante que não vai estar no palanque no Serra?

Eu estou muito inconformado. Vou seguir mostrando as falhas do governo, falar o que penso. Vou continuar fazendo meu trabalho na mesma linha, não aceito pressão de ninguém. As pessoas me conhecem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.