Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados

Líder do PR diz que não participa de movimento para substituir Moura da liderança do governo

Parlamentares do PSB e PR iniciaram uma mobilização para substituir Moura sob a justificativa de que ele pode ser influenciado por Eduardo Cunha

Igor Gadelha e Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2016 | 13h14

BRASÍLIA - O líder do PR na Câmara dos Deputados, Aelton Freitas (MG), emitiu nota nesta quinta-feira, 28, para afirmar que a liderança do partido não está envolvida no movimento de bastidor de parlamentares da base aliada para pressionar o presidente em exercício, Michel Temer, a substituir o líder do governo, deputado André Moura (PSC-SE).

"Não há qualquer registro de iniciativa desta liderança que possa estar relacionada à proposta de substituição do atual líder do governo", afirma. "Essa liderança, inclusive, reitera e reconhecimento dos bons serviços prestados pelo líder André Moura, sempre vinculado ao melhor interesse público", acrescenta a nota.

Como o Broadcast, serviço de informações em tempo real do Grupo Estado, e o Estado mostraram nesta quinta, parlamentares do PSB e PR iniciaram uma mobilização para substituir Moura. Entre as alegações está o fato de Moura ser filiado a um partido pequeno (o PSC tem 8 deputados), não inspirar confiança na "tropa" e de que terá sempre o espectro de Cunha sobre ele.

Apesar de Aelton dizer que a liderança do partido não participa do movimento, um influente deputado do PR confirma a articulação no partido. Segundo esse parlamentar, a mobilização surgiu logo após a eleição para presidência da Câmara, quando o "Centrão" saiu enfraquecido com a derrota de seu candidato, Rogério Rosso (PSD-DF).

No PR, a estratégia conta com o aval do ex-deputado Valdemar Costa Neto, que, embora cumprindo prisão domiciliar por envolvimento no mensalão do PT, é considerado o comandante do partido. A avaliação de parlamentares da sigla também é de que Moura não reúne condições para ser líder do governo.

O PR vem se distanciando do "Centrão" desde a eleição para presidência da Câmara. Sob orientação de Valdemar Costa Neto, o partido apoiou Rosso no primeiro turno, mas, no segundo turno, mudou de lado e decidiu apoiar o deputado do DEM.

Além de PR e PSB, uma ala do PMDB defende a mudança. O incômodo da bancada peemedebista com Moura vem desde quando o Centrão colocou e divulgou, sem consulta prévia, o nome de parlamentares da sigla na lista de cerca de 300 apoiadores da indicação do deputado do PSC a Temer.

Despreocupado. Moura disse desconhecer a articulação de bastidor de deputados desses partidos para derrubá-lo da liderança do governo. "Não ouvi nem tenho preocupação. Se existir, são atos de alguns que não aceitam, e não é de agora, a minha escolha", afirmou o líder do governo, sem dar nomes aos insatisfeitos.

Interlocutores de Temer, porém, reconhecem que tem crescido a pressão pela substituição de Moura, mas ponderam que o presidente em exercício tende a se afastar das negociações. Esses interlocutores afirmam que a permanência do líder no cargo ainda depende exclusivamente dele mesmo.

"Ele precisa mostrar serviço e ao mesmo tempo sinalizar que está se afastando do grupo do Cunha e demonstrar isso para a base", disse uma fonte ligada a Temer. / COLABOROU CARLA ARAÚJO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.