Líder do PPS defende demissão do presidente da Caixa

O líder do PPS, Rubens Bueno (PR), defendeu que o presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Fontes Hereda, seja demitido pela presidente Dilma Rousseff. "Quando a presidente da República fala que isso é um ato de criminosos e deu o tumulto que deu, ela tem que punir os criminosos, a começar pela diretoria da Caixa, que agora assume publicamente que cometeu erros", afirmou, em declaração ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

BERNARDO CARAM, Agência Estado

28 de maio de 2013 | 18h45

Na tarde desta segunda-feira, 27, Hereda pediu desculpas por informação equivocada da Caixa. Ele disse ainda que já sabia, na segunda-feira, 20, que o banco havia liberado todos os pagamentos do mês de maio na sexta-feira anterior, 17. No mesmo dia, o banco havia dito que a antecipação dos saques só fora permitida no sábado, 18.

O líder do partido disse ainda que vai cobrar que o governo repreenda publicamente os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo; do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello; e da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário. "Governo sério tem que falar à nação que houve um erro e não pode admitir gente como esse tipo da diretoria da Caixa e como os ministros que deram declarações estapafúrdias", disse Bueno.

Na manhã desta terça-feira o deputado participou de reunião com o diretor da Polícia Federal, que contou ainda com a participação dos líderes do PSDB, Carlos Sampaio (SP); do DEM, Ronaldo Caiado (GO); e do bloco da Minoria, Nilson Leitão (PSDB-MT). Bueno cobrou agilidade nas investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.