Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Líder do PMDB na Câmara defende que depoimento de Costa à CPI seja adiado

Eduardo Cunha afirma que depoimento será útil após o término da delação premiada e que agora seria 'perda de tempo'

ERICH DECAT, Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2014 | 16h01

O líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), defendeu nesta quarta-feira, 10, o adiamento do depoimento do ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa na CPI Mista sobre a estatal. Representantes da cúpula do partido - como Renan Calheiros (PMDB-AL) e Henrique Eduardo Alves (RN) - teriam sido citados em depoimento de Costa feito ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal como integrantes de um esquema de desvios na Petrobrás.

"Em processo de delação premiada não se pode falar nada. Defendi que deveria ter um depoimento apenas após o término da delação. Agora seria perda de tempo", afirmou o peemedebista ao Broadcast Político, ao chegar para a posse do ministro Ricardo Lewandowski como novo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

O líder do PMDB considerou ainda como "muito ruim" os vazamentos das primeiras informações prestadas por Paulo Roberto Costa. "Acho muito ruim com qualquer um quando saem ilações desse tipo. O Henrique vai se defender do quê?", afirmou o deputado, referindo-se ao presidente da Câmara.

Cunha participou no início da tarde desta quarta-feira de reunião entre líderes do Congresso que acertou o depoimento de Costa para a próxima quarta-feira, 17. Conforme revelou o Broadcast Político, no encontro, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), também se posicionou pelo adiamento do depoimento do ex-diretor da estatal, alegando que ouvi-lo neste momento seria "perda de tempo".

A reunião ocorreu no gabinete do presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB/PB), e também contou com a participação de lideranças do PSDB, DEM, PPS, Solidariedade e do relator da comissão, Marco Maia (PT-RS). Com maioria no encontro, integrantes da oposição conseguiram marcar o depoimento do ex-diretor para a próxima semana.

Procurado pela reportagem, o senador Humberto Costa foi questionado sobre os motivos de ser contra a ida do delator à CPMI. "Não sou só eu, não. Nos posicionamos, o Arnaldo Faria de Sá e o Eduardo Cunha também, mas foi no sentido de que ele (Costa) não vai falar nada", afirmou o petista. "Acho que pode terminar gerando desgaste para a gente. O Paulo Roberto Costa vem e não vai falar nada. Vai alegar que é acusado e já está falando na Justiça", acrescentou.

Num segundo momento da entrevista, o senador usou um tom mais ameno e afirmou que, apesar da "perda de tempo", não há problema de Costa ir depor na Comissão. "Que ele venha, mas vai ser uma perda de tempo. Ele não pode falar. Acho que, pelo acordo da delação premiada, ele não pode sequer revelar o teor."

Vazamentos. O líder do PT no Senado não escondeu, entretanto, o temor de novos vazamentos caso os documentos referentes à delação do ex-diretor sejam compartilhados com o Congresso. "O que falei também é o cuidado com esse acesso ao depoimento, se acontecer. Tenho a impressão de que o ministro Teori Zavascki (relator do processo no STF) não vai liberar. Mas, se liberar, aqui não tem sigilo de nada. São várias coisas: de um lado, o fato de que isso vazando pode fazer com que muita gente destrua provas, desapareça. Por outro lado, pode se fazer luta política com situações que podem não estar claramente definidas, de participação de alguém. E ainda tem a segurança dele."

Tudo o que sabemos sobre:
CPIPETROBRASCostaEduardo Cunha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.