Líder do PMDB e Virgílio trocam acusações no Senado

Às vésperas do fim do recesso parlamentar, o clima entre os líderes do PMDB, Renan Calheiros (AL), e do PSDB, Arthur Virgílio (AM), ficou ainda mais acirrado, com declarações que beiram o pugilato. Na troca de acusações, ontem foi a vez dos peemedebistas reagirem com ironia e virulência, um dia depois de o tucano acusar o PMDB de fazer parte da máfia da Camorra e ameaçar entrar com uma representação no Conselho de Ética contra Renan."O Arthur Virgílio é cada vez menos um caso de política e mais de psiquiatria", afirmou Renan. "Requer que ele faça exame clínico completo. Exame de sangue, de urina, de fezes para ver qual é o diagnóstico", completou o senador Wellington Salgado (PMDB-MG). A briga entre os líderes começou porque o tucano já encaminhou, em seu nome, seis denúncias ao Conselho de Ética contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Para revidar, o partido de Renan anunciou ofensiva em sentido inverso, para abater Virgílio.

EUGÊNIA LOPES e CAROL PIRES, O Estadao de S.Paulo

01 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.