Líder do PMDB e ministro discutem volta de Rondeau nesta 3ª

Durante reunião do Conselho Político, Raupp e Mares Guia debatem situação do ex-ministro de Minas e Energia

Agência Senado

01 de outubro de 2007 | 18h31

O líder do PMDB, senador Valdir Raupp disse, em entrevista à imprensa, nesta segunda-feira,1, "que dentro da postura de diálogo, própria do partido", deverá reunir-se nesta terça-feira com o ministro das Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia. Em pauta, a"renomeação" de Silas Rondeau para o Ministério de Minas e Energia, .   Além da recondução de Rondeau, que renunciou após suspeita de que ele teria recebido propina da construtora Gautama, pivô da Operação Navalha, da Polícia Federal, será discutida  também a nova forma de lidar com a tramitação das medidas provisórias.   O encontro ocorrerá durante reunião do Conselho Político,marcada para esta terça-feira,às 11 horas,  em que será discutida a medida provisória que propõe a criação da TV Pública. Segundo Raupp, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria pedido ao ministro Mares Guia que, todas as vezes em que ele for mandar para o Congresso uma MP que possa causar algum tipo de polêmica, esta deve ser discutida exaustivamente.   Raupp disse que outra questão relevante é a do ex-ministro Silas Rondeau, de Minas e Energia que, segundo ele, está "pendente há seis meses". O senador lembrou que o cargo era da cota PMDB e que é preciso saber se Rondeau vai ou não voltar para o ministério "para que não permaneça por mais tempo esse desequilíbrio entre o PMDB e os demais partidos da base aliada".   Rebeldia no PMDB   O líder do PMDB comentou ainda a reação da ala do PMDB que se rebelou na semana passada quando votou pela rejeição do PLV 377/07, proveniente da MP 377/07, que criava a Secretaria de Planejamento de Longo Prazo. A rejeição da medida deixou sem cargo o então ministro Mangabeira Unger.   "Um partido que faz parte de uma coalizão deve estar também no centro das decisões, com postos à altura de sua representatividade. O PMDB tem sido diminuído no somatório de forças da coalizão", disse o senador, que admitiu o esforço do governo para discutir uma solução para o Ministério de Minas e Energia.   CPI das ONGs   Raupp disse ainda que as denúncias da revista Veja contra a senadora Ideli Salvatti (PT-SC) acusando-a de suposto favorecimento à Federação dos Trabalhadores em Agricultura Familiar do Estado de Santa Catarina (Fetrag) é "um prenúncio do que irá ocorrer quando a CPI das ONGs for instalada". A comissão parlamentar de inquérito foi proposta para investigar irregularidades em Organizações Não Governamentais (ONGs) e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscips), que receberam recursos do governo, entre 1999 e 2002.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Navalhaconselho político

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.