Divulgação
Divulgação

Líder do PMDB defende redução de ministérios do partido

'Quem defende redução não pode colocar como pleito um novo ministério', afirmou Leonardo Picciani ao comentar a recusa de Eliseu Padilha em comandar a Secretaria de Relações Institucionais

Daniel Carvalho, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2015 | 13h49

Brasília - Ao comentar a recusa do ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, à oferta de comandar a SRI (Secretaria de Relações Institucionais), o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, defendeu que o partido reduza sua participação no governo da presidente Dilma Rousseff. Hoje, a legenda ocupa sete ministérios e defende que o total de pastas vá de 39 para 20.

"Quem defende redução não pode colocar como pleito um novo ministério. Pelo contrário. Vamos discutir a redução das pastas ocupadas pelo partido e não a sua ampliação", afirmou Picciani.

Ao ser abordado especificamente sobre a recusa de Padilha, ele se esquivou. "Com relação à recusa, cabe a ele próprio dizer primeiro se foi convidado, depois se recusou ou se não recusou", afirmou. "A SRI não é um pleito da bancada do PMDB na Câmara. Por estas razões, acredito que ele não aceitaria essa tarefa", disse o líder.


Resistência. Escolhido pela presidente Dilma Rousseff para ocupar a secretaria, Padilha tem demonstrado, até o momento, resistência para mudar de pasta. Essa postura foi relatada ao Estado por três integrantes da cúpula do partido que acompanharam reuniões realizadas na noite desta segunda-feira, 6, em Brasília, após o aceno de Dilma. Os encontros para discutir o tema entraram pela madrugada. 

Logo no primeiro, no início da noite, no gabinete do vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, Padilha teria hesitado sobre o convite e ressaltado que está "contente" na atual pasta. Ele também integra o chamado núcleo político estendido, criado por Dilma para acomodar a legenda, o PSD e o PC do B nas discussões de propostas do governo. Dentro do PMDB, prepondera ainda o sentimento de que o modelo adotado por Dilma na SRI não é o ideal. Peemedebistas alegam que o ministro da pasta não tem nenhuma autonomia para tomar decisões e em razão disso é constantemente alvo de ataques dos "aliados".

Diante desse cenário, segundo relatos de integrantes do partido, no encontro no gabinete de Temer, o ministro Eliseu Padilha chegou até a comparar a SRI a um "cemitério de políticos". Apesar da resistência dele, as conversas entre os integrantes da cúpula do PMDB permanecem nesta terça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.