Líder do PMDB mostra contraproposta ao projeto de desonerações da folha de pagamento

Leonardo Picciani (PMDB-RJ) disse aceitar que os setores de comunicação social, tecnologia da informação, transportes e alguns itens cesta básica tenham uma recomposição de alíquota intermediária, não superior a um terço do índice defendido pelo Planalto

Ricardo Della Coletta, Beatriz Bulla e Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

10 de junho de 2015 | 17h26

Brasília - O líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), apresentou nesta quarta-feira, 10, ao governo uma contraproposta para tentar viabilizar um acordo em torno do projeto que revê a política de desoneração da folha de pagamento. O peemedebista disse aceitar que os setores de comunicação social, tecnologia da informação, transportes e alguns itens cesta básica tenham uma recomposição de alíquota intermediária, não superior a um terço do índice defendido pelo Palácio do Planalto. 

Picciani é o relator de um projeto editado pelo Executivo em março que, entre outros pontos, aumenta as alíquotas de recolhimento das empresas incluídas no regime especial de tributação de 1% para 2,5%, principalmente para a indústria, e de 2% para 4,5%, para serviços. O deputado queria que esses quatro setores econômicos fossem poupados do aumento dos tributos, mas agora acena aceitar um reajuste parcial. Mas o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, permanece irredutível e não quer que haja exceções seletivas, o que impossibilitou a votação da matéria nesta tarde pelo Plenário da Câmara. "O governo precisa ter sensibilidade e entender que será aprovado o que é possível. O ministro da Fazenda analisa números, mas é o Congresso Nacional que representa a sociedade", rebateu Picciani.

O peemedebista disse que é preciso "excepcionalizar os setores mais sensíveis ao aumento dos tributos". "A princípio, são os setores que têm mão de obra intensiva e margens apertadas na sua competitividade", justificou. "Então (são setores que um) aumento muito duro pode gerar demissões e desemprego ou mesmo setores em que o reflexo do aumento de tributos será repassado diretamente ao cidadão", completou.

Diante do impasse nas negociações, o governo e os líderes da base acertaram, em reunião realizada nesta manhã no Palácio do Jaburu, adiar a votação da proposta para a semana que vem. 

Levy argumenta que não pode haver beneficiamento de setores de forma pontual porque isso "abriria a porteira" para novas concessões. A hipótese é rechaçada por Picciani: "Esses (quatro) setores são os de maiores mobilização na Casa. Se houver convencimentos, não haverá espaço para que (se) abra a porteira", argumentou. 

Emendas. Picciani também revelou que o governo vai editar em breve um decreto para disciplinar a liberação de emendas parlamentares, por meio dos chamados restos a pagar. O congelamento dessas dotações vinha sendo criticado por parlamentares, que precisam das verbas para abastecer suas bases eleitorais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.