Líder do PFL pede pressa na aliança com PSDB

O líder do PFL no Senado, senador José Agripino (RN), pré-candidato a vice-presidente na chapa do ex-governador Geraldo Alckmin, do PSDB, disse nesta quinta-feira que a solução para reverter a queda do tucano nas pesquisas é apressar a aliança entre os dois partidos. "Alckmin tem munição, tem imagem, tem argumento, tem credibilidade na palavra e tem condições de crescer. Por isso, temos que apressar a aliança. Ruim seria se ele não tivesse esse capital", disse Agripino. Ele disse que, uma vez resolvidos os "poucos" problemas entre os dois partidos nos Estados, tentará chegar a um acordo com o senador José Jorge (PE), que também disputa no PFL a indicação para ser candidato a vice de Alckmin.Segundo Agripino, seja por entendimento ou pela fixação de critérios na definição do nome do vice, o importante é garantir que não haja contestações no partido na escolha. Depois de uma rápida conversa com o presidente em exercício, senador Renan Calheiros (PMDB), no Palácio do Planalto, Agripino disse que considera essa visita "um bom presságio" em relação ao retorno do PFL e do PSDB ao Planalto, já que os dois partidos vêm conversando com o PMDB para ampliar a aliança em torno de Alckmin. O líder do PFL criticou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva por insistir em negar sua candidatura à reeleição ao mesmo tempo em que manda um ministro convidar o PMDB para participar de sua chapa escolhendo o vice. Ele se referia à conversa que o ministro de Relações Institucionais, Tarso Genro, teve nesta quarta-feira com o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.