Líder do PFL não quer punição em relatório

O líder do PFL no Senado, Hugo Napoleão (PI), disse que seria "abusivo" da parte do relator da violação do painel eletrônico, senador Roberto Saturnino Braga (PSB-RJ), recomendar qualquer tipo de penalidade a ser aplicada aos senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF). No entender de Napoleão, caberá ao relator "apenas reconhecer se houve ou não a quebra de decoro parlamentar, sem entrar no mérito da questão".Até quarta-feira, data da entrega do relatório de Saturnino, o líder do PFL espera conversar com os líderes do PSDB, senador Sérgio Machado (CE), e do PMDB, senador Renan Calheiros (AL), sobre a tramitação da denúncia no Conselho de Ética, incluindo a proposta pefelista de votação secreta do relatório. O PFL está determinado a atuar para evitar que o Conselho sugira qualquer punição para os senadores antes de a Mesa do Senado se pronunciar sobre o assunto. Afasta também a hipótese de cassação do mandato. " Cassação é punição extrema, para um assunto que não houve prejuízo para a Casa nem para o resultado da votação", afirmou Napoleão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.