Líder do PFL cobra autonomia de Greenhalgh

A entrega das propostas da reforma da Previdência e do sistema tributário na Comissão de Constituição e Justiça deu oportunidade para o primeiro embate entre a base aliada e a oposição. Assim que o presidente da Câmara, João Paulo Cunha, fez o seu breve discurso de entrega dos textos, o líder do maior partido da oposição, José Carlos Aleluia (PFL-BA), pediu um aparte. Aleluia afirmou ter tomado conhecimento pela imprensa de que o presidente da CCJ estaria sendo enquadrado pelo governo. "Não cabe dizer que vossa excelência foi enquadrado e quero pedir que o senhor atue em defesa desta sala, que já foi presidida por Djalma Marinho", referindo-se ao deputado que por duas vezes presidiu a CCJ. O presidente da CCJ, Luiz Eduardo Greenhalg (PT-SP) remontou ao seu período de oposição para responder ao líder do PFL. "Se a ditadura militar não me calou, não será uma notícia de jornal que o fará", garantiu. "Não houve nenhum enquadramento e não haverá. O único enquadramento que será feito será o da Constituição". O deputado petista começou então a sessão deliberativa da Comissão, dando início à discussão sobre o encaminhamento das propostas de emenda constitucional.DisputaO PFL está reivindicando a relatoria de uma das duas propostas de emenda constitucional que foram entregues à CCJ . O deputado Eduardo Paes (PFL-RJ), que coordena a bancada na comissão, é candidato ao cargo. Paes argumenta que uma das relatorias, provavelmente a que trata da reforma previdenciária, poderá ficar com a base aliada. Ele defende que relatoria da reforma tributária deveria ficar com o PFL. O relator da proposta de reforma tributária encaminhada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi o deputado Mussa Demes (PFL-PI). Paes foi integrante da mesa da comissão especial que tratou do assunto até 1999.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.