Líder do MST diz que Lula se afastou do povo

Os principais líderes do Movimento dos Sem-Terra (MST) no Pontal do Paranapanema, José Rainha Junior e Sérgio Pantaleão, estão fazendo questão de mostrar que o movimento procura distanciar-se do PT.Pantaleão afirmou que o movimento não é "um braço ou uma perna" do PT. Segundo ele, o MST abriga pessoas que não votam no PT. Ao comentar a crítica de Lula à invasão da fazenda do presidente, ele revelou o que pensam os líderes sobre o candidato petista. "O Lula também se afastou do povo."Embora admitindo que as últimas invasões podem atrapalhar a campanha petista, Rainha disse que o MST não consulta nenhum partido antes de realizar suas ações. "O MST não é de nenhum partido."Ele disse que não está preocupado com o possível prejuízo político que a radicalização do movimento pode trazer ao PT. Ao comentar a reação negativa do candidato do partido à presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, à invasão da fazenda do presidente Fernando Henrique Cardoso, na semana passada, disse que foi uma opinião pessoal.E criticou: "Embora seja amigo do Lula e vá votar nele, também não concordei da aliança que o PT fez com o PL (Partido Liberal)", reagiu o líder.Ele foi enfático ao demonstrar que o MST não está preocupado com as eleições. "Independente de quem for eleito, mesmo que seja o Lula, vai ter mais ocupação." Ao ser perguntado se aprovava o projeto de reforma agrária do PT, ele disse que nenhum projeto, nem mesmo o de Lula, pode ser aplicado com o atual regime.?Não é a pessoa, é a estrutura", explicou. "É preciso mudar todas as regras do jogo, mas isso não vai acontecer, qualquer que seja o candidato eleito." Rainha disse que o MST vai continuar sendo um movimento popular, sem vinculação político-partidária. "Não vamos partidarizar o MST."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.