Líder do MST diz que invasão foi facilitada

O assentado Gilmar de Oliveira, de 26 anos, participou da invasão da fazenda da família do presidente Fernando Henrique Cardoso e, com a prisão dos 16 líderes da ocupação, passou a ser um dos chefes do MST em Buritis. Como outros integrantes do movimento e do PT, Oliveira insiste na tese de que houve uma "armação" para facilitar a invasão da propriedade."Em outras ocasiões, quando havia manifestação perto da fazenda de Fernando Henrique para chamar a atenção, para negociar a pauta, nós só podíamos ficar à beira da estrada, fazendo vigília", diz Oliveira. "Dessa vez estava tudo aberto."O novo líder dos sem-terra de Buritis avalia que o governo sai mal do episódio. "Houve um acordo para a gente sair pacificamente da fazenda, acordo que foi quebrado com a prisão de nossos 16 companheiros", diz ele, antes de tentar explicar o saque da adega e da cozinha da fazenda."Na verdade, foi uma minoria que fez isso, e essa não era a intenção do movimento." As críticas do candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, não abalaram Oliveira: "Somos um movimento autônomo e podemos fazer nossas manifestações, assim como o partido político também tem a sua autonomia, e a companheirada tem autonomia na hora de votar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.