Adriano Machado/Reuters - 5/11/2019
Adriano Machado/Reuters - 5/11/2019

Líder do MDB declara apoio à reeleição de Alcolumbre no Senado

Possibilidade de recondução do presidente, no entanto, depende de liberação do STF

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2020 | 19h08

BRASÍLIA – Fora do comando do Congresso pela primeira vez em 18 anos, o MDB costura uma aliança com o DEM para voltar ao poder a partir de 2021. No Senado, o líder do partido, Eduardo Braga (AM), afirmou que a sigla apoiará a reeleição de Davi Alcolumbre (DEM-AP) se o Supremo Tribunal Federal (STF) liberar a possibilidade de recondução. Caso contrário, ele deixou claro que o MDB terá candidato. O apoio consolida o acordo que já existe na Câmara, onde os dois partidos caminham juntos para emplacar um nome à sucessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Maior bancada do Senado, hoje com 13 senadores, o MDB foi rival de Alcolumbre na eleição para o presidência da Casa em 2019, quando tentou colocar Renan Calheiros (AL) de volta na cadeira. Após a derrota, porém, os emedebistas se aproximaram do amapaense.

“Se houver reeleição, o MDB vai com o Davi. Se não houver, o MDB vai se habilitar”, afirmou Eduardo Braga ao Estadão/Broadcast, pontuando que a articulação política dependerá da decisão do STF. “Se houver a possibilidade de reeleição, o Davi está reeleito”, avaliou. Dentro do MDB, além do próprio Braga, os nomes do líder do governo, Eduardo Gomes (TO), e da senadora Simone Tebet (MS) são tidos como postulantes.

O STF vai julgar uma ação do PTB sobre a possibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Atualmente, a recondução é permitida pela Constituição apenas em legislaturas diferentes, o que não será o caso em 2021. O processo não tem data para ser analisado.

Alcolumbre tem atuado nos bastidores para conseguir apoio à sua reeleição. O senador amapaense é visto como um “bombeiro” na relação entre o Congresso e o Executivo ao se aproximar do governo Jair Bolsonaro e, ao mesmo tempo, agradar aliados e oposicionistas.

Na Câmara, DEM e MDB deixaram recentemente o bloco formado pelo Centrão em um movimento para marcar uma aliança na sucessão de Maia, que nega qualquer tentativa de reeleição. O nome do presidente da legenda, Baleia Rossi (MDB-SP), é citado por deputados como o mais cotado. Ao Estadão/Broadcast, porém, Rossi afirmou que não é candidato à presidência da Câmara e que é inviável antecipar essa discussão no momento.

Segundo ele, é preciso aguardar a decisão do Supremo. “Sei que o presidente Davi Alcolumbre tem a pretensão de se reeleger, mas também existe o pleito legítimo do MDB, por ser a maior bancada, de fazer a sucessão no caso de Alcolumbre não puder. Ainda tem algumas providências tão ou mais importantes para serem tomadas do que fazer futurologia.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.