Líder do governo reclama de como TV mostra carecas

O ritmo de votação de projetos no Senado pode não ser suficiente para melhorar a imagem dos políticos no País, mas se depender do líder do governo na Casa, senador Artur da Távola (PSDB-RJ), pelo menos a captação da imagem dos parlamentares pela TV Senado poderia render melhores resultados.Nesta quinta-feira de manhã, Távola reclamou com o presidente do Senado, Ramez Tebet (PMDB-MS), que as câmeras da TV Senado abusavam do seu tipo "despido de cabelos". Távola disse que as câmeras, como estão posicionadas hoje, só captam imagens da parte superior do plenário, na galeria aberta ao público.Assim, os senadores carecas ficam desfavorecidos. "Quando os senadores bem dotados de cabelo falam na primeira fila, aparecem os cabelos em primeiro plano, o que é inevitável no plongée, como se chama tecnicamente esse plano de cima para baixo.?Já os despidos de cabelos são um formidável exemplo de brilho exclusivo das luzes (do plenário) e não das nossas insuperáveis inteligências", brincou o senador, que é careca, dirigindo-se a Tebet, outro despido de cabelos.O senador fluminense, ex-secretário de Cultura da prefeitura do Rio, chamado às pressas para ocupar a liderança do governo durante as articulações para a eleição de Tebet à Presidência do Senado, disse ainda que o plongée tem a desvantagem de dar a sensação ao telespectador de redução do físico dos parlamentares."Não merecemos nem diminuição nem ampliação", disse o senador, propondo que as câmeras passem a fazer imagens no piso do plenário.Tebet elogiou a maneira com que Távola expôs o problema, considerando-a poética, e não fez por menos: "Confesso-me surpreso (quanto ao efeito das posições das câmeras), porque estou aprendendo com Vossa Excelência, mas determinarei ao diretor-geral que faça o que o Senado gosta de fazer: aparecer como é, nem avantajado, nem diminuído, absolutamente transparente, exatamente como somos, com fios de cabelo na cabeça ou não".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.