André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Líder do governo na Câmara lamenta que Maranhão tenha cedido à pressão da oposição

José Guimarães (PT-CE) acredita que a popularidade da presidente vem aumentando nos últimos dias e provocou aliados de Temer

Luciana Nunes Leal, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2016 | 12h07

BRASÍLIA - O líder do governo Dilma Rousseff na Câmara, José Guimarães (PT-CE), criticou o presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), pela decisão de revogar a anulação do processo de impeachment. Segundo Guimarães, o presidente interino da Câmara cedeu à pressão da oposição. "Vi o grau de pressão que foi feita, as pessoas aqui acham que tudo podem. Não ficou bom. Na política, tem que ter lado, tem que perfilar e caminhar. A sociedade prefere transparência do que pular de galho em galho", disse o líder, em café da manhã nesta terça-feira, 10, com jornalistas na liderança do governo. 

Guimarães disse que a disposição do governo e dos aliados é "não entregar os pontos no Senado", que deverá aprovar na quarta, 11, em plenário o prosseguimento do processo de impeachment, o que levará ao afastamento de Dilma da presidência por até 180 dias, até a votação final. ""Se o Senado aprovar (o prosseguimento do processo de impeachment, amanhã), temos condições plenas de reverter em um segundo momento. Está havendo uma mudança muito grande na opinião pública. Estamos seguros que vamos lutar até o fim, essa é a orientação da presidente Dilma.  O governo Dilma está muito maior do que quando começou o processo de impeachment na Câmara", declarou.

O petista reconheceu que também houve pressão, que chamou de "articulação", por parte dos governistas para que Maranhão anulasse as sessões que levaram ao impeachment da presidente na Câmara. No domingo, 8, o presidente interino da Câmara reuniu-se com o advogado geral da União, José Eduardo Cardozo, defensor de Dilma no Congresso, e com o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), aliado da presidente, com quem discutiu a anulação das sessões. O líder evitou comentar a fragilidade de Maranhão no comando da Câmara, especialmente no momento em que o presidente em exercício desagradou adversários e aliados do governo, ao anular o processo de impeachment e depois voltar atrás.

O líder do governo negou que o encontro com os jornalistas tivesse clima de despedida do cargo, na véspera da votação no plenário do Senado. O petista provocou aliados de Temer no Congresso, ao comentar sobre a possibilidade de o possível governo do peemedebista enviar medidas impopulares como as mudanças nas regras da aposentadoria. "Quero ver a oposição defender a reforma da Previdência", disse. O próprio PT foi contra a reforma quando o governo da presidente Dilma tentou aprovar novas regras no Legislativo. 

Ao longo dos próximos 180 dias, depois do afastamento da presidente, Guimarães defende que os aliados de Dilma atuem em três frentes, inclusive com recursos à Justiça. O líder afirmou, no entanto, que falava em seu nome e não do governo. "Não sei qual vai ser o desfecho, mas minha opinião pessoal é lutar em três esferas: nas ruas, para dar mais velocidade (às manifestações pró-Dilma); não entregar os pontos no Senado e atuar também no Judiciário". Guimarães cobrou novos levantamentos dos institutos de pesquisa e disse ter certeza de que a popularidade da presidente Dilma aumentou. Ele disse que não há hipótese de a presidente renunciar ao cargo, mesmo que o Senado aprove o afastamento de Dilma. 

Guimarães defendeu que, com Dilma ou Temer no governo, a esquerda deve ser organizar em uma "frente ampla para discutir algo mais estratégico para o País". Segundo o líder, o diretório nacional do PT vai se reunir nos próximos dias 16 e 17, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.