Líder do governo na Câmara diz que tentará votar Lei da Copa nesta semana

Arlindo Chinaglia disse que discutirá polêmicas como a liberação da bebida com aliados e oposição

Rafael Moraes Moura, Agência Estado

19 de março de 2012 | 13h49

BRASÍLIA - Apesar das tensões dentro da base aliada, o líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), disse nesta segunda-feira, 19, que vai tentar votar a Lei Geral da Copa ainda nesta semana. Chinaglia se reuniu na manhã desta segunda com a presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto. Também estiveram presentes os ministros do Esporte, Aldo Rebelo; das Relações Institucionais, Ideli Salvatti; da Justiça, José Eduardo Cardozo; da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho; das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, da Secretaria de Comunicação Social, Helena Chagas; e de Minas e Energia, Edison Lobão; além do vice-presidente Michel Temer e do líder do governo Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM).

Todos os compromissos assumidos pelo governo brasileiro para receber o Mundial de 2014 foram repassados durante a reunião. "A questão central na visão do governo é que um País como o nosso não pode deixar de cumprir compromissos internacionais assumidos. Isso diz respeito à nação brasileira e não a esse ou àquele governo", disse Chinaglia. O líder do governo na Câmara disse que procurará os líderes da base do governo e da oposição para esclarecer "um ou outro ponto, especialmente aqueles onde aflorou alguma divergência de opinião". "Avalio que seja possível votarmos essa semana", afirmou.

De acordo com o petista, Dilma fez referência à Lei Geral da Copa como "um dos pontos importantes para o governo". Questionado sobre a resistência da bancada religiosa para aprovar a liberação de bebida alcoólica nos estádios, Rebelo respondeu: "A bebida alcoólica está relacionada com convicções pessoais, morais, religiosas, que respeitamos. Nós estamos aqui tratando de compromissos assumidos pelo governo brasileiro, pelo Estado brasileiro e que devem ser cumpridos e honrados, e nesse aspecto é que o governo faz o apelo no sentido de que esses compromissos sejam honrados."

De acordo com Chinaglia, tanto o projeto original do governo quanto o parecer do deputado Vicente Cândido (PT-SP) atendem os interesses do Palácio do Planalto. "Tem o projeto original do governo, tem parecer do relator da matéria, aprovado na comissão especial, portanto, em principio qualquer uma das duas (propostas) serve. Nós vamos definir por qual, e será amanhã na base do governo, aquela que entendermos que dê mais conforto para a votação", afirmou Chinaglia.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, se encontrou na sexta-feira passada com Dilma para melhorar a relação da entidade com o governo brasileiro e pressionar as autoridades para aprovar a Lei Geral da Copa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.