Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Líder do governo minimiza demissão de Bebianno: 'não vai afetar articulação'

O agora ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência era tido como um dos principais elos entre o Congresso e o Palácio do Planalto

Mariana Haubert, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2019 | 13h13

O líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO), minimizou as consequências da demissão de Gustavo Bebianno, agora ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, para a articulação do governo com o Legislativo.

"Institucionalmente, a Secretaria-Geral não tem a atribuição de articulação política. Mas não vai ser modificada [a relação com o Congresso]. O governo vai dar uma reajustada e vai prosseguir. Não vai afetar a articulação", afirmou.

Bebianno era tido por diversos parlamentares como um dos principais elos de comunicação do Congresso com o Palácio do Planalto e era, até hoje, o único interlocutor do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) com a cúpula do governo. Ele foi exonerado na segunda-feira, 18, após ter se envolvido em uma polêmica com o filho do presidente Jair Bolsonaro, o vereador do Rio Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). O ex-ministro foi substituído pelo general da reserva Floriano Peixoto.

Para Vitor Hugo, o imbróglio da saída de Bebianno não impactará no convencimento da base aliada sobre a necessidade de se aprovar a reforma da Previdência. "Já existe uma consciência grande sobre a importância da reforma. Já há maturidade no País de que ela é importante", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.