Líder do governo diz que decisão do Copom foi de cautela

O líder do governo na Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), disse, em discurso no plenário da Câmara, que a decisão do Copom de manter a taxa Selic em 26,5%, apesar da tendência de desaceleração da inflação, foi de cautela diante do cenário nacional e internacional de instabilidade. Segundo Rebelo, o Banco Central merece a solidariedade e sustentação política do governo e da base aliada. "Evitamos o pior. O País saiu da UTI, mas requer cuidados", afirmou. Ele afirmou que, quando a saúde do paciente melhora, aparece quem queira mudar o tratamento. "Mas o ministro Palocci e sua equipe estão vencendo essa batalha e merecem o reconhecimento da base", afirmou. No discurso, Rebelo respondeu também às críticas do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, segundo as quais o governo Lula deveria adotar uma agenda nova. "Infelizmente, o presidente Fernando Henrique Cardoso não deixou como herança um país estável", observou Rebelo. "Infelizmente, ele fundamentou sua política econômica na ilusão da presença dos chamados capitais externos. Esse foi seu erro grave. Deixou o País desguarnecido". Segundo Rebelo, o governo Lula, pelo contrário, tem praticado uma política para descolar o País da dependência do financiamento externo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.