Líder do DEM reativa campanha de 2007 contra CPMF

Uma semana depois da eleição, a oposição encontrou a bandeira que parece ter faltado na campanha. Na iminência do retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), o líder do DEM na Câmara, Paulo Bornhausen (SC), já reativou o "Xô CPMF". O movimento fez barulho em 2007, época em que a contribuição foi extinta depois de derrota governista no Senado. Tímido durante a campanha presidencial, o debate em torno da questão dos impostos promete ser acalorado no período de transição para o governo da eleita Dilma Rousseff (PT).

ANA PAULA SCINOCCA, Agência Estado

08 de novembro de 2010 | 19h51

Hoje mesmo, o site do movimento da internet (www.xocpmf.com.br) foi reativado e pelo menos duas entidades - a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas - já aderiram às manifestações contrárias ao retorno do tributo. Pelo menos 13 dos 27 governadores se mostram favoráveis à reedição da CPMF para financiar a área da saúde.

Bornhausen já montou uma estratégia para mobilizar a sociedade civil contra o retorno do imposto. Na próxima semana, um evento do "Xô CPMF" deve ser realizado no Congresso. "Essa volta da CPMF é um sanatório geral. Temos de reagir e mobilizar a sociedade civil de fora para dentro", disse.

Com ampla maioria no Congresso, o governo da presidente eleita, Dilma Rousseff, tem grande chance de reeditar o tributo. "Daí a necessidade de as entidades e a sociedade em geral encampar novamente a ideia do ''Xô CPMF''", reforçou o líder do DEM.

Para Bornhausen, a reedição do tributo é um "tapa na cara com mão de gato". "Se o governo quer mais recursos para a saúde, ele que tire dinheiro de estradas que não constrói e coloque na saúde que não atende", disse. "A prioridade deve ser a saúde. As estradas podem ser feitas por meio de concessões, mas falar em volta da CPMF só pode ser deboche."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.