André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Líder do DEM nega blindagem da oposição a Cunha e diz que nota por afastamento foi suficiente

Para Mendonça Filho, texto divulgado no fim de semana mostra que oposição quer que peemedebista deixe a presidência da Câmara

Daiene Cardoso, O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2015 | 13h22

Brasília - O líder do DEM na Câmara dos Deputados, Mendonça Filho (PE), desconversou nesta quarta-feira, 14, sobre a reação tímida da oposição ao processo por quebra de decoro parlamentar proposto pelo PSOL e pela Rede Sustentabilidade no Conselho de Ética contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Nenhum parlamentar dos partidos adversários da presidente Dilma Rousseff assinaram o documento. Apesar disso, Mendonça nega haver blindagem ao peemedebista e disse que a manifestação por meio de uma nota, no fim de semana, já seria suficiente para marcar a posição do grupo.

"Ninguém vai ser blindado por nenhum partido de oposição", declarou o líder do DEM. Mendonça defendeu "ampla e total apuração" das denúncias de que Cunha teria contas ocultas no exterior e ressaltou que ainda precisam receber as provas em poder da Procuradoria-Geral da República (PGR) "para que possam conhecer a verdade". 

PSDB, PPS, PSB, SD e DEM divulgaram uma nota no sábado na qual pedem o afastamento do peemedebista logo após a revelação de que as contas na Suíça pagaram despesas pessoais de parentes de Cunha. Mendonça rechaçou a tese de que a mensagem divulgada tenha sido "jogo de cena". "Nós já nos manifestamos por nota. A nossa manifestação foi pública, ampla e nessa direção: propondo o afastamento dele", afirmou o líder.

Na terça-feira, parlamentares do PSOL e Rede defenderam no plenário o afastamento de Cunha e pediram o apoio dos colegas para o processo protocolado no Conselho de Ética. Embora deputados de outros cinco partidos, incluindo o PT, tenham assinado o documento das duas siglas, governistas e oposicionistas silenciaram e ninguém foi à tribuna dar apoio ao pedido.

Horas antes, ainda pela manhã, os líderes da oposição foram recebidos por Cunha em sua residência oficial, em Brasília. Na ocasião, o peemedebista disse aos adversários de Dilma que eles o derrubariam um dia depois de decidir pela abertura de um processo de impeachment contra a presidente e demonstrou irritação com a nota na qual PSDB, DEM, PPS, PSB e SD defendem seu afastamento do comando da Câmara. Os líderes da oposição alegaram que a nota foi uma resposta à pressão das bases, mas que Cunha poderia continuar contando com o apoio deles.

Nesta quarta, Mendonça disse que não há dependência da oposição - que busca o deferimento do pedido de impeachment de Dilma - em relação a Cunha e que espera que o presidente da Câmara aja de forma "impessoal". "Espero que ele cumpra seu dever constitucional, que cumpra com sua obrigação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.