Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Líder do DEM na Câmara diz que renúncia de Cunha, hoje, seria inócua

A possibilidade de Cunha renunciar para tentar adiar a votação e manter o foro privilegiado tem sido aventada nesta segunda por aliados do peemedebista

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2016 | 15h58

BRASÍLIA - Líder do DEM na Câmara, o deputado Pauderney Avelino (AM) disse que a sessão desta segunda-feira, 12, para votar a cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será mantida mesmo se o peemedebista decidir renunciar ao mandato. "Se ele pensou em renunciar para adiar a cassação, ele perdeu o timing. A renúncia vai ser inócua", disse.

A possibilidade de Cunha renunciar para tentar adiar a votação e manter o foro privilegiado tem sido aventada nesta segunda por aliados do peemedebista.

Segundo Pauderney, a votação deve ser mantida e concluída por volta da meia-noite. Ele almoçou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O líder do DEM também afirmou que será votado o parecer aprovado no Conselho de Ética, que pede a cassação do mandato, e que não há espaço para votar um projeto de resolução, que poderia beneficiar o peemedebista.

A diferença é que se votar o parecer, os deputados só poderão se manifestar a favor ou contra a perda de mandato. O projeto de resolução, porém, permite que os parlamentares apresentem emendas e destaques ao texto.

Tudo o que sabemos sobre:
DEMEduardo CunhaRodrigo Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.