Líder do DEM na Câmara defende punição de novo corregedor

Moreira foi eleito para Mesa Diretora sem apoio do partido; é acusado ainda de declarar castelo de R$ 20 mi

da Redação,

05 de fevereiro de 2009 | 12h53

O líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), disse nesta quinta-feira, 5, que o partido irá discutir eventual punição do novo corregedor da Casa, Edmar Moreira (DEM-MG), que também foi escolhido como 2º vice-presidente da Mesa Diretora. Ele se candidatou para o cargo sem o apoio da bancada, que escolheu o deputado Vic Pires Franco (PI). O deputado mineiro não disputou sequer a indicação na bancada e não atendeu aos apelos para que não se candidatasse como avulso na disputa no plenário.  Moreira também é acusado de não declarar em sua prestação de contas à Justiça eleitoral um castelo avaliado em R$ 20 milhões.  Veja também:Veja quem são os membros da Mesa Diretora da Câmara A sucessão dos presidentes do Senado    Blog: acompanhe os principais momentos das eleições na Câmara e no Senado  Anúncio de investimentos do PAC é 'factóide', diz Caiado  "Não pode o DEM responder por um candidato eleito contra um escolhido pela bancada. Mas o DEM sabe que terá de tomar uma atitude, porque ele está filiado ao partido", disse Caiado (GO), defendendo indiretamente uma punição ao parlamentar. "Vamos levar o assunto à Executiva do partido", afirmou. Procurado pelo estadao.com.br para falar sobre o castelo, a chefe de gabinete do deputado informou que ele ainda não esteve em seu gabinete nesta quinta-feira. "Ele não comenta a vida particular dele, não falou nada sobre o assunto conosco", disse ela. Em outra entrevista, o deputado afirmou que transferiu o castelo para seus dois filhos em 1993. A propriedade é um castelo de estilo medieval no distrito de São João de Nepomuceno, na Zona da Mata mineira, que ocupa 192 hectares, com 36 suítes com hidromassagens e torres de até oito andares, segundo propaganda colocada em site próprio na internet. Colocado à venda, o Castelo Monalisa, "conjunto arquitetônico inspirado nos castelos europeus", é avaliado em torno de R$ 25 milhões.    Caiado afirmou ainda à Agência Câmara que o DEM não foi responsável pela candidatura de Moreira à Mesa Diretora, já que o candidato oficial do DEM era o deputado Vic Pires Franco (DEM-PA). Ele disse ainda que o partido discorda da opinião do novo corregedor, que defende a extinção dos julgamentos de deputados no Conselho de Ética da Câmara. Outro assunto também provoca insatisfação no DEM. O deputado foi denunciado à Justiça pelo procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, por suspeita de se apropriar ilegalmente de contribuição ao INSS, feitas por seus empregados de empresa de vigilância. Ele afirmou também que tem os comprovantes que podem mostrar que ele não deve nada à Previdência Social. (Com Denise Madueño e Luciana Nunes Leal, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.