Líder do DEM exige explicação sobre monitoramento de portuários

Deputado Ronaldo Caiado (GO) protocola requerimento para ouvir esclarecimentos do chefe do Gabinete de Segurança Institucional sobre 'missão' de fiscalizar sindicalistas

João Domingos, de O Estado de S.Paulo

09 Abril 2013 | 13h10

Brasília - O líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), pediu explicações do ministro-chefe de Segurança Institucional, José Elito Carvalho, sobre o monitoramento feito pela Abin ao movimento sindical nos portos, em especial no Porto de Suape (PE), conforme revelou o 'Estado' em reportagem do dia 4, confirmadas nesta terça-feira, 9, com documentação da própria agência. Caiado protocolou na Mesa da Câmara requerimento de informação sobre as ações de espionagem da Abin.

 

Com o requerimento, Caiado quer esclarecimentos sobre quem pediu e quais os motivos de se deflagrar uma operação da Abin para monitorar os trabalhadores. Ele lembrou que há hoje uma mobilização para fazer mudanças na MP 595, conhecida por MP dos Portos, movimento encabeçado pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, provável candidato à Presidência da República em 2014.

 

O líder indagou ainda qual a justificativa para usar a estrutura de inteligência federal para o monitoramento, visto que, segundo a Lei 10.683/2003, a Abin deve ser acionada quando há risco de grave crise e iminente ameaça à estabilidade institucional. Caiado acrescentou que não vê, no movimento dos sindicalistas, grave ameaça à estabilidade institucional.

 

Caiado perguntou ainda ao ministro se a Abin grampeou os telefonemas entre Eduardo Campos e o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical, movimento muito presente nos portos e também contrário à MP.

 

"A situação descrita na reportagem (do Estado) é extremamente grave, pois sugere que a atuação do Gabinete de Segurança Institucional e da Agência Brasileira de Inteligência foi motivada com finalidade político-eleitoral", disse Caiado. O líder do PSB no Senado, Rodrigo Rollemberg (DF), também vai exigir explicações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.