Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Líder do DEM diz que aditamento do pedido de impeachment pode não ocorrer esta semana

Segundo Pauderney Avelino, juristas que assinam o pedido pediram que adendo seja feito após a homologação da delação premiada de Delcídio Amaral pelo STF; oposição se reúne para fechar posição

Daiene Cardoso e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2016 | 17h44

BRASÍLIA - O líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), disse nesta segunda-feira, 7, que o aditamento ao pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff em trâmite na Casa pode não ocorrer nesta semana, como previsto. Segundo ele, os juristas que assinam o pedido - Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior, Janaína Paschoal - pediram para só fazer o aditamento após a delação premiada do ex-líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS), ser homologada - o que ainda não tem data prevista para acontecer.

Pauderney afirmou que é possível incluir o conteúdo da delação em que Delcídio cita a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando a comissão especial processante do impeachment já estiver instalada na Câmara. Isso, contudo, pode demorar.

O líder do DEM defendeu que a comissão especial processante só seja instalada depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgue os embargos declaratórios protocolados pela Câmara questionando o rito do impeachment estabelecido pela Corte no fim do ano passado.

O parlamentar lembrou que essa, contudo, ainda não é consenso entre os líderes da oposição, que devem se reunir na tarde desta segunda-feira para fechar posição conjunta. De acordo com Pauderney Avelino, o único consenso até agora é de que a oposição não questionará a decisão do Supremo de que caberá ao Senado decidir pela abertura do processo de impeachment da presidente Dilma, após a autorização da Câmara. "Só vamos contestar a decisão de a votação da comissão especial ser aberta e não aceitar chapa avulsa", disse.

Divisão. Pela manhã, Pauderney rebateu a declaração da presidente Dilma Rousseff, em que ela acusou a oposição de querer dividir o País. "Isso parece piada de mau gosto. Quem está dividindo o País se chama Luiz Inácio Lula da Silva, PT e Dilma Rousseff", afirmou o deputado.

O líder do DEM ressaltou que o papel da oposição é fiscalizar o governo, e não colaborar com ele. Citando os resultados econômicos, o líder disse que "quem está criando as dificuldades para o País é a presidente Dilma e seu partido, que não faz o dever de casa".

Justiça. Sobre os questionamentos em relação à posse do novo ministro da Justiça, Wellington Cesar Lima e Silva, Pauderney considerou difícil que o Supremo declare constitucional a posse, por ele ser egresso do Ministério Público. "Não creio que o STF possa aprovar ou dar como constitucional uma questão totalmente inconstitucional", declarou. A oposição alega que o artigo 128 da Constituição só permite que membros do MP assumam cargos ligados ao magistério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.