Líder de grupo anti-PT é hostilizado por integrantes do MTST

Marcello Reis, do Revoltados On Line, diz ter sido agredido por sem-teto acampados na Paulista

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2017 | 21h48

O líder do movimento Revoltados On Line, Marcello Reis, afirmou que foi agredido na madrugada de quinta-feira, 16, por integrantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) que estavam acampados na Avenida Paulista. O Revoltados On Line defende a volta do regime militar e participou das manifestações a favor do impeachment de Dilma Rousseff no ano passado.

Segundo Reis, ele foi até o local do acampamento para conversar com Guilherme Boulos ou com um outro representante do MTST, quando foi abordado. “Eu e mais uma pessoa do Revoltados On Line paramos no Charme (lanchonete) da Avenida Paulista, na frente do Masp, quando fui abordado por uns três ou quatro caras dizendo que o bicho agora tinha pegado pra cima dos fascistas...”, relatou.

“Colocaram na linha de frente mulheres. Mantive minhas mãos abertas, pra cima, e fui andando pra atrás. Em nenhum momento agredi ninguém (...). Esses bandidos disfarçados de trabalhadores sem teto me quebraram todo, foi um linchamento!”, afirmou Reis.

Um vídeo gravado por um membro do Revoltados On Line, e divulgado na página do grupo Juntos Pelo Brasil, mostra Reis sendo impedido de se aproximar do acampamento e levando tapas. Ele chega a cair no chão. Alguns membros do próprio MTST tentaram conter a confusão.

Guilherme Boulos, que não estava no local na hora do incidente, afirmou que Reis “é um notório provocador e que teria ido até o local para fazer uma cena e se passar por vítima”. “Nós nunca fomos em uma manifestação deles fazer esse tipo de provocação. O razoável é que ele também não fosse na nossa”, disse Boulos. 

Em junho de 2015, Reis hospedou-se no mesmo hotel em que o PT realizava um congresso, em Salvador. A presença dele no local também causou confusão. Houve empurrões e tapas e ele acabou expulso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.