Líder de garimpeiros denuncia ameaças de morte

Inimigo do ex-agente do SNI e prefeito de Curionópolis, Sebastião Curió Rodrigues de Moura (PMDB), o líder de um dos grupos de garimpeiros de Serra Pelada, Raimundo Benigno, denunciou neste domingo à polícia que está recebendo ameaças anônimas de morte. "Será que eu mereço morrer por estar lutando por uma causa justa, a dignidade e oportunidade de trabalho para milhares de pais de família?", disse Benigno. Curió negou ter envolvimento com as supostas ameaças feitas a Benigno. "Sou católico praticante, vou à missa e comungo. Não tenho nada com isso", afirmou.O sindicalista disse que, mesmo correndo risco de morte, não vai abandonar a luta nem fugir do garimpo. A amigos, porém, Benigno confessou temer que façam com ele o mesmo que fizeram no último dia 16 de novembro com o presidente do Sindicato dos Garimpeiros de Curionópolis, Antonio Clênio Cunha Lemos, morto com cinco tiros por um pistoleiro ainda foragido.Benigno tem evitado andar sozinho pela região, principalmente à noite. E passou a andar protegido por garimpeiros que fazem a segurança até dentro da casa dele. O sindicalista não apareceu na última reunião da Cooperativa dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp), transmitindo ao atual presidente da entidade, João Lepos, um recado: só irá à cooperativa quando for realizada a assembléia geral para a convocação de nova eleição. "Não adianta ele forçar a barra, eu só saio daqui em junho de 2003, quando vence o meu mandato", disse Lepos.O grupo do prefeito Curió quer Lepos fora da cooperativa e descarta uma composição com o líder de outro grupo rival, Luiz da Mata, amigo de Benigno. Para evitar confronto entre os grupos, patrulhas armadas de policiais militares estão percorrendo dia e noite as ruas da pequena cidade de 5 mil habitantes existente dentro do garimpo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.