Líder da UDR diz que invasões tornam Mast criminoso

O presidente da União DemocráticaRuralista (UDR) no Pontal, Luis Antonio Nabhan, disse que aoinvadir fazendas, o Movimento dos Agricultores Sem-Terra (Mast)passa a ser tão criminoso quanto o Movimento dos Sem-Terra(MST). "Qualquer movimento que tente fazer a reforma agrária nabase da pressão e com invasões está cometendo crime e seuslíderes devem ser presos", afirmou.Segundo Nabhan, em caso de invasão, os fazendeiros têm dedefender suas propriedades. "Isso só faz aumentar a tensão naregião." O presidente do sindicato dos proprietários rurais dePresidente Wenceslau, Almir Soriano, acusou o Mast de ser tãoradical quanto o MST."Eles devem ser tratados com o mesmo rigor pela lei." Membroda comissão de assuntos fundiários da Confederação Nacional daAgricultura (CNA), Soriano acha que o governo deu força aomovimento dissidente na tentativa de combater o MST. "Aestratégia não funcionou porque agora eles estão agindo de formacriminosa."Diolinda da Silva, mulher do líder do MST José Rainha, considerao Mast um movimento de pouca expressão. "A avaliação quefazemos dos outros movimentos é de que têm na liderança pessoasenvolvidas com política e a tendência é de que desapareçam."Segundo ela, o MST está se preparado para mostrar que continuaforte. Diolinda atribuiu os mandados de prisão expedidos contraRainha e outros quatro líderes à perseguição da Justiça doPontal contra o MST. "Mas nossa luta continua."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.