Líder casaque é acusado de manipular eleições

Nursultan Nazarbayev tornou-se o homem forte do Casaquistão em 1989, ainda na era soviética

27 de setembro de 2007 | 18h41

No poder há quase duas décadas, o ditador casaque, Nursultan Nazarbayev, tornou-se o homem forte do país centro asiático em 1989, como primeiro-secretário do Partido Comunista do Casaquistão, até então uma república soviética.  No ano seguinte ele é eleito o primeiro presidente do país, que caminhava para a independência. Com o colapso da União Soviética, em 1991, Nazarbayev é reeleito presidente, em eleições dadas como limpas.  Veja também: Lula dá camiseta assinada por Pelé a presidente do Casaquistão  A partir daí, no entanto, Nazarbayev passa a concentrar cada vez mais poder, e é acusado pela oposição de suprimir dissidentes do regime. Embora defendesse a democracia como um objetivo de longo prazo, Nazarbayev argumentava que mudanças rápidas poderiam colocar a estabilidade do Casaquistão - um país formado por diferentes etnias - em risco.  É nesse contexto que em 1995 a ampliação de seu mandato é aprovada num referendo. Em 1999, Nazarbayev é reeleito. Seu principal rival foi impedido de participar do pleito por razões "técnicas". Em dezembro de 2005, Nazarbayev volta a ser reeleito com 91% dos votos, para mais sete anos no poder. A oposição reclama de fraudes e observadores europeus afirmam que a eleição foi seriamente manipulada.  Num sinal da sua consolidação no poder, o Parlamento aprova já em 2007 reeleição indefinida no país. Além disso, quando Nazarbayev finalmente decidir deixar o cargo, ele terá um assento permanente no Conselho de Defesa e presidirá a assembléia do povo - órgão que une membros dos diferentes grupos étnicos que compõe o Casaquistão. O país Cobrindo um território equivalente ao da Europa Ocidental, o Casaquistão possui vastas reservas minerais e um enorme potencial econômico. Durante o período soviético, o país era um importante centro para testes espaciais e nucleares da União Soviética. Sua paisagem varia da região montanhosa e amplamente populosa do leste às planícies ricas em recursos energéticos e desabitadas do oeste. No norte, predominam áreas industrializadas, com um clima siberiano e terreno árido. Já no sul, o solo fértil é utilizado para a agricultura. O Casaquistão também é um país multiétnico. Mais da metade da população é formada por casaques, mas mais de um quarto da população é russa. Há ainda as minorias de ucranianos, alemães, chechenos, curdos e coreanos.Apesar do tamanho e da importância energética do país, o Casaquistão tornou-se de fato conhecido internacionalmente depois do sucesso do filme Borat, estrelado pelo comediante britânico Sacha Baron Cohen. No filme - que foi indicado ao Oscar -, um repórter Casaque vai aos Estados Unidos fazer um documentário sobre "o maior país do mundo", mas muda todo seu roteiro depois de se apaixonar pela sex symbol Pamela Anderson.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.