Líder admite que mínimo cria dificuldade às prefeituras

O líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP)admitiu hoje que o novo mínimo de R$ 350,00 vai causar impacto nas finanças das prefeituras de cidades pequenas. Ele reconheceu que elas passarão por dificuldades, mas disse que a medida também trará benefícios. "Creio que os municípios pequenos terão que fazer um esforço maior, mas é para a melhora na distribuição de renda e no crescimento da economia, em que todos ganham", disse.Antecipando o discurso governista, o deputado disse que o aumento do salário mínimo vai fazer com que o novo piso salarial compre 2,2 cestas básicas neste ano, ante 1,3 cesta quando Lula assumiu, em 2003. Chinaglia lembrou que, nessa conta, a política de controle da inflação foi outro fator que possibilitou o aumento no poder de compra do piso salarial.Chinaglia disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mencionou, na reunião de líderes dos partidos aliados no Congresso, que o acordo em torno do salário mínimo com as centrais sindicais deve incluir um protocolo definindo uma política permanente de recuperação do piso salarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.