Licença de Renan não altera votação da CPMF, diz Lula

Na África, presidente diz que Senado votou tudo o que o governo quis.

Rogério Wassermann, BBC

15 Outubro 2007 | 16h45

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira em Burkina Faso, primeiro país que visita no seu giro pela África, que o afastamento de Renan Calheiros da Presidência do Senado não altera as chances de aprovação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) na Casa."O fato de o presidente Renan ter pedido licença não alterna nada. Ultimamente, o Senado votou todas as coisas que queríamos que fossem votadas", declarou Lula, após sair de um encontro com o presidente do país, Blaise Comparoé, no palácio presidencial em Uagadugu, a capital de Burkina Faso."Só agora que chegou para ser votado no Senado, e temos certeza de que será aprovado da mesma maneira que passou na Câmara."Lula defendeu a prorrogação do imposto como uma questão de interesse nacional."O que está para ser votado não é do interesse do governo, a CPMF é do interesse da nação brasileira. Afinal de contas, temos R$ 504 bilhões de investimentos em infra-estrutura e se não pudermos utilizar esse dinheiro, vai ter que utilizar o dinheiro de outras áreas", disse, referindo-se aos investimentos previstos pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Antes de falar sobre a CPMF, Lula destacou a importância da sua viagem pela África, a sétima como presidente, e dos acordos de cooperação que deverá assinar. Durante a sua visita a Burkina Faso, foram assinados protocolos de entendimento em saúde, agricultura, pecuária e esportes.O presidente participa ainda nesta segunda-feira da abertura da Semana do Cinema Brasileiro em Uagadugu. Em seguida, ele embarca para a República do Congo. Lula também vai visitar também a África do Sul e Angola, passando um dia em cada país. Até o fim da semana, ele terá visitado 19 dos 53 países africanos, alguns deles mais de uma vez.O presidente Lula é acompanhado na viagem à África pelos ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim, do Desenvolvimento, Miguel Jorge, de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, da Comunicação Social, Franklin Martins, da Secretaria Especial de Política da Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, e pelo assessor para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia. Além disso, um grupo de cerca de 30 empresários participa do giro africano com o presidente, em busca de novas oportunidades de negócios.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
lulaafricaburkina faso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.