Li mandava e-mail a Tuma Júnior com lista de processos

Documentos obtidos durante a investigação da Polícia Federal indicam que pedidos feitos pelo chinês tinham tratamento especial

Rodrigo Rangel, de O Estado de S.Paulo

04 Maio 2010 | 00h01

O chinês Paulo Li costumava mandar números de processos em tramitação no Ministério da Justiça direto para o e-mail particular do secretário Romeu Tuma Júnior. Suas demandas, indicam os documentos obtidos durante a investigação da Polícia Federal, tinham tratamento especial.

 

Veja também:

 

PF liga Tuma Júnior, secretário nacional de Justiça, a chefe da máfia chinesa

 

Num dos casos, em e-mail a Tuma Júnior, o diretor do Departamento de Estrangeiros do Ministério da Justiça, Luciano Pestana Barbosa, festeja após atender a mais um pedido do chinês: "É o caso do Paulinho!! Mais um caso resolvido. É nóisssssss!!!!."

 

A demanda havia sido enviada a Pestana pelo próprio Tuma Júnior, seu superior imediato. A sequência de mensagens revela o empenho do diretor. Num e-mail anterior, enviado a Tuma, ele faz um pedido para facilitar a solução do problema na burocracia da pasta: "Será que ele (Paulinho) poderia digitalizar os documentos e encaminhar?"

 

As encomendas de Tuma a Li também eram frequentes. Num telefonema em 22 de maio, o secretário pergunta: "Sabe onde tem aquela mala marrom? (...) É igual àquela marrom e bege, sabe, que você levou (...) em Brasília. Tem uma que é preto e cinza. Será que tem?"

 

Li promete conseguir a mala. Dois dias depois, Tuma, em viagem ao exterior, pede para o chinês saber o preço de uma câmera Sony em São Paulo. "Se aí for mais barato, eu não vou comprar." Ao saber que custa R$ 1.200, autoriza que Li compre.

 

A relação de Tuma Júnior com Paulo Li levou a PF a propor a abertura de um inquérito específico para investigar indícios de crimes praticados pelo secretário.

 

Em expedientes internos, os investigadores sugerem haver indícios de advocacia administrativa e prevaricação - o primeiro pelos favores ao chinês e o segundo por não ter adotado providências ao saber das atividades ilegais de Li. O inquérito também investigará indícios de corrupção e tráfico de influência.

 

Anistia. Os contatos entre os dois indicam, segundo documentos da PF, que o secretário sabia da existência de um mercado ilegal destinado a agenciar processos de anistia de estrangeiros.

 

Em mensagem datada de 29 de julho, com a anistia já em vigor, Li dá conhecimento ao secretário de um esquema similar ao que, segundo a PF, ele próprio mantinha. "Eles estão cobrando R$ 350 para a realização do agendamento, incluindo taxa e xerox." Os telefonemas revelam que, na comunidade chinesa, Tuma se esforçava para ser reconhecido como responsável pela aprovação da anistia, numa disputa com o deputado William Woo, autor do projeto original.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.